Cuiabá, Sexta-Feira, dia 27 de Novembro de 2020
Busca: 
Notícias Orkut
Educação Vídeos
Direito Projetos
Educacionais
Aulas  
Redes
sociais:
TV Câmara TV AL-MT
TV Senado TV TCE
TV Justiça  
Notícias
Artigos
Vídeos
Parlamento
Espaço Acadêmico
Leitura
Blog
Anuncie
Eventos, Cursos, Concursos...
CF-1988 - Atualizada

SF
Jornal do Senado - Notícias em formato PDF

AS
Filhos do Sol Contos e Crônicas

Benedito Rufino da Silva
Receba nossas newsletters
E-mail:

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Artigos Jurídicos
Nome:
E-mail:
Seu amigo:
E-mail dele:
Assunto:
Comentário:
A riqueza é a singularidade
25/08/17
Por: Eduardo Mahon

 

O turismo histórico é um setor forte de geração de riqueza. A rota cultural rende muito. O que o turista quer ver é o típico, o original.

As ruínas de Pompeia são visitadas por milhões de pessoas dispostas a pagar agências, guias, alimentação, hotelaria etc.

Da mesma forma, paga-se uma fortuna por ano para ver o Arco do Triunfo, a Torre Eiffel, a Torre de Pisa, o Coliseu, entre outros pontos obrigatórios no turismo mundial.

Pouca gente sabe, mas Washington também fatura bastante com monumentos históricos, assim como pequenas cidades norte-americanas que conservam imóveis onde aconteceu o rompimento com a metrópole ou a guerra civil.

Na América Latina, há as ruínas dos impérios asteca, inca e maia, com especial atenção para Machu Picchu.

Tudo isso a gente já sabe. Mas quero chamar atenção para uma casinha. Fica ao lado da catedral, numa rua que se intitula como “dourada”.

Percebam que não há nada de grandioso. Apenas uma placa discretíssima com o nome de Franz Kafka, o escritor de Metamorfose, O Castelo, O Processo, Cartas ao Pai, entre outras obras fundamentais da literatura universal.

Apenas isso. Nada mais do que uma plaquinha. Tudo o que se relaciona com Kafka está marcado na República Tcheca.

O turista tira uma foto, compra souvenir, livro, paga excursão e gera bilhões.

Em Veneza, há um entalhe marcando o local onde viveu Casanova. Mínimo, em mármore.

Chamei atenção para uma das casas de Kafka para comparar com o nosso casario da tricentenária Cuiabá.

Há os megalômanos que pensam em erguer uma Torre Eiffel em Cuiabá ou, no ápice do delírio, construir um Arco do Triunfo pantaneiro.

Nada mais brega do que imitar valores alheios. Não é só brega, é pobre de espírito.

O casario colonial de Cuiabá, as igrejas e seus ricos entalhes, o estilo neoclássico que convive com o traço barroco, os museus, todo o conjunto já é suficiente para a geração de recursos.

É preciso identificar os casarios, pontuando eventos e personalidades históricas. É dizer: essas imagens só há aqui, em Cuiabá.

Cidades como Salvador, São Luís, Recife, Olinda, e aquelas pertencentes ao circuito mineiro setecentista, já perceberam essa obviedade.

Temos riqueza dentro de Cuiabá. É aí, garimpando história e cultura, que brota riqueza.

EDUARDO MAHON é advogado e escritor em Cuiabá. 

Outros Artigos
15/05/17
Mediação: ferramenta da paz social
09/03/13
É tempo de plantAR
17/08/11
A conferência ofiría em MT
16/06/11
Investidura ou Posse
04/12/17 - Desenquadramento do Prodeic
02/10/17 - Direito de preferência do locatário - mitos e realidades
18/09/17 - Delação unilateral
01/09/17 - Governo entrega Plano Estadual da Agricultura Familiar
© 2004 -  O conteúdo desse site pertence ao EJURNEWS e AMEJUR - Todos os direitos reservados. A reprodução parcial ou total dos artigos é permitida, desde que citada a fonte.
Os artigos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem, necessariamente, o posicionamento deste site de mídia informativa.